Perfil epidemiológico relativo às internações de casos de tentativa de suicídio e suicídio no estado de goiás no período de 2015 a 2019

  • Keiscielly Assunção Faria Silveira UniRV
  • Débora Silva Barbosa
  • Eva Gabriela Mourão de Oliveira
  • Isabela Pereira dos Santos
  • Isadora Pina de Sá
  • Natália Martins de Lima
  • Larissa Pureza da Silveira
  • Danyelly Rodrigues Machado Azevedo

Resumo

O artigo objetiva apresentar a situação epidemiológica das internações por lesões autoprovocadas em Goiás no período de 2015 a 2019. É um estudo epidemiológico transversal, descritivo, quantitativo, com base em dados secundários. Utilizou-se o número de internações e mortes notificados e confirmados em Goiás sobre lesões autoprovocadas, arquivados no Sistema de Informações Hospitalares do SUS. Evidenciou-se que o maior número de casos de internações e/ou óbitos por lesões autoprovocadas em Goiás se encontram na cidade de Goiânia. A causa mais prevalente de internações se deu por casos de autointoxicação voluntária por álcool, enquanto a principal causa de óbitos foi por autointoxicação por exposição intencional a outras drogas, medicamentos e substâncias biológicas e às não especificadas. Houve uma forte tendência para faixa etária entre 15-59 anos, sendo mais prevalente no sexo masculino. Informações em relação à variável cor/raça não foram bem elucidadas. Os dados demonstrados representam apenas uma pequena parte da problemática das lesões autoprovocadas. A taxa real de suicídio e casos de lesões autoprovocadas são subestimadas em função das subnotificações. Conclui-se que o levantamento epidemiológico exposto visa evidenciar as informações e alertar quanto às subnotificações, a fim de conscientizar a sociedade sobre a necessidade da notificação obrigatória

Publicado
2020-12-17
Seção
Artigos