Epidemiologia da infecção por leptospira no estado de São Paulo de 2010 a 2020

Resumo

Esta pesquisa teve por objetivo caracterizar o perfil epidemiológico da leptospirose humana no estado de São Paulo, Brasil, no período de 2010 a 2020. Para esta pesquisa foi realizado um estudo transversal, descritivo, retrospectivo e qualiquantitativo que utilizou como unidades de análise os municípios do estado do São Paulo. A amostra foi delimitada ao período de 2010 a 2020, os dados foram coletados a partir das informações disponíveis no site TABNET/DATASUS. Após coleta dos dados e cálculo dos índices, foram analisados por meio de estatística descritiva simples. Constatou-se a ocorrência de 7.529 casos de leptospirose no estado de São Paulo, o que demonstrou prevalência de 1,71/10.000 hab. A maioria dos casos ocorreu em indivíduos do sexo masculino e faixa etária de 20 a 59 anos. Os municípios com maior número de notificações foram São Paulo, Guarulhos e Campinas, e os meses com maiores taxas de notificação foram de janeiro a abril. Quanto a evolução dos casos, 76,8% evoluíram para cura e 12,3% óbito. A taxa de mortalidade encontrada foi de 2,1/100.000hab.  Conclui-se que a leptospirose no estado de São Paulo possui prevalência acima da média nacional e que a doença possui sazonalidade com concentração maior de casos na época chuvosa.

Publicado
2022-10-19
Como Citar
FreitasV. C. de S., SenziC. G. de, GuimarãesN. M., OliveiraR. O. de, & FriasD. F. R. (2022). Epidemiologia da infecção por leptospira no estado de São Paulo de 2010 a 2020. REVISTA CEREUS, 14(3), 212-222. Recuperado de http://www.ojs.unirg.edu.br/index.php/1/article/view/3882
Seção
Artigos